AS mil VISÕES de JOÃO 

cheio de Artes

Especial João Ewerton por ELE mesmo:

De volta a São Luís mais uma vez

Em 2003 retornei para São Luis, onde a convite da Fundação Municipal de Cultura dirigi o  Centro de Arte Japiaçu da prefeitura da capital do Maranhão, entre maio de 2003 a agosto de 2005. Na ocasião montei um trabalho com os jovens da comunidade do bairro onde ficava o Centro de Arte, local de alta periculosidade, Camboa e Liberdade, conseguido certo êxito ao desmontar uma quadrilha de assalto a mão armada, que passou a trabalhar com o Centro e depois em diversos locais. Outro trabalho importante nesse Centro de Artes foi a criação da Escola de Azulejaria em parceria com o consulado da Espanha e a Fundação Municipal de Patrimônio Histórico de São Luis. Atualmente estou como Secretário de Cultura e Turismo de Valença pela segunda vez.

No meu histórico de trabalho tem uma coleção de prêmios nas diversas áreas em que atuo, por esse motivo que criei coragem de dizer que trabalho com essas áreas todas, uma vez que acredito que quem trabalha com muitas áreas ao mesmo tempo corre o risco de não fazer nada bem feito. No meu caso, tendo!

Das premiações destaca:

Look realizado com materiais regionais para o Projeto Quiet in the Land. Modelo: Meninas do Projeto Axé-Bahia. Abaixo, look criado com tiras de garrafas PET. Para a Indústria Santista. Rio 2002.

Prêmio do MINC, Secretaria de Áudio Visual,  no ano 2000 para o Roteiro para Cinema de Longa Metragem: Aguaeretama.

Prêmio Especial Criado Pela Universidade do Rio de Janeiro, para a sua adaptação do Texto: “As Rãs” de Aristófanes.

12 Prêmios no nível nacional, pela direção dos espetáculos:

 O NAVIO NEGREIRO A NAVE DOS LOUCOS 100 ANOS DEPOIS, adaptação do poema Navio Negreiro de Castro Alves e AS RÃS E OUTROS BICHOS DE PENA, adaptação da comédia As Rãs de Aristófanes.

O NAVIO NEGREIRO A NAVE DOS LOUCOS 100 ANOS DEPOIS e AS RÃS E OUTROS BICHOS DE PENA, renderam 15 prêmios no nível nacional na categoria de melhor cenografia:  19 Prêmios no nível nacional na categoria iluminação, 12 Prêmios no nível nacional, na categoria figurinos dos dois espetáculos, 15 Prêmios no nível nacional, na categoria Sonoplastia, 25 premiações           no nível estadual (Rio de Janeiro) nas              categorias melhor figurino,

      iluminação, sonoplastia, atores,

REALIZAÇÃO DE MONUMENTOS:

            Tem no currículo a realização

            de monumentos como: Busto em

            bronze do ex-Ministro Mario

            Andreazza, realizado para o

            governo  do Estado do Maranhão

            em dezembro de 2005, localizado

            no Porto do Itaqui em São Luis do

                                                       Maranhão. 

Criei a imagem do

São Marçal, santo não reconhecido pela igreja católica, mas que é considerado padroeiro do Bumba-Meu-Boi e tem festa dedicada a ele em São Luis do Maranhão, no dia 30 de junho. Para realização do monumento busquei referências em azulejo existente na igreja de Sant'Ana em São Luís, que muitos acreditam ser o Bispo Marçal, que foi da cidade de Limonjes, na França, que devido aos seus feitos de caridade junto aos desvalidos foi considerado Santo pelo povo, mas nunca reconhecido pela Igreja.  

O monumento em homenagem a São Marçal está localizado na Rotatória da Avenida São Marçal no Bairro do João Paulo – São Luis – Maranhão desde Junho de 2007.

Monumento alegórico para a Canção do Exílio, “Minha terra tem Palmeiras onde canta o  Sabiá” poema de maior expressão de Gonçalves Dias, que teve seus versos plagiados por Duque Estrada quando fez a letra do hino nacional; “Nossos bosques tem mais vida, nossa vida mais amores”.

Estrada acrescentou apenas ”em teu seio” no meio para ficar conforme está na letra do Hino Nacional. “Minha terra tem palmeiras onde canta o Sabiá” é o verso mais conhecido da poesia brasileira.

Esse monumento de mais de 9 toneladas em chapas de aço estava localizado na rotatória da entrada de São Luis, mas foi retirado recentemente e estou entrando com ação no Ministério Público para processar o responsável e colocá-lo de volta no local, pois enquanto o artista for vivo sua obra não pode ser mexida sem sua expressa autorização. Sem contar que o patrimônio público não pode  ser retirado para destino ignorado sem conhecimento da população. Esse monumento estava localizado na rotatória do aeroporto de São Luis, Maranhão desde Setembro de 2008.

ACERVOS IMPORTANTES ONDE POSSUO OBRAS:

Museu Histórico e Artístico do Maranhão. Museu Mundial da Marionete em Paris – França. Acervo do UNICEF em Brasília, Coleções particulares em vários países da América Latina, América do Norte e Europa.

 

CITAÇÕES EM LIVROS:

THE JOURNAL, publicada em NOVA YORK – EUA, considerada uma das maiores revistas do  mundo, especializadas em arte. ANUÁRIO DO TEATRO BRASILEIRO, publicado pelo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA, nas edições de: 1976, 1977, 1979,1980. O REAL E O IMAGINÁVEL, de José Fernandes Pinheiro, publicado em Valença, Rio de Janeiro em 1992. NOVOS POETAS DO MARANHÃO, editado pela Universidade Federal do Maranhão em 1978. ARTES PLÁSTICAS NO MARANHÃO - UMA VISÃO DE CEM ANOS publicado pela Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão no ano de 1983.  ARTISTAS DO MARANHÃO também publicado pela Secretaria em parceria com o Banco do Estado do Maranhão em 1994.

A ROTA DO PODER edição oficial do Governo do Rio de Janeiro com a relação das autoridades do   Estado e seus municípios. Edição do Período Administrativo de 1992 a 1996. THE QUIET IN THE LAND edição de luxo, resultante do projeto de arte conceitual do The  Folk Museum of  New York, realizado em Nova York e Salvador no ano 2000. THE QUIET IN THE LAND resultado do projeto de arte conceitual realizado por The Folk Museum of  New York, realizado no Láos-Camborja no ano 2005.

NOTA DO EDITOR:  João Ewerton é artista multimídia, especializado nas áreas de:  Dramaturgia, Direção Teatral, Cenografia para Teatro e Televisão, Iluminador de Teatro, Cinema e Televisão, Carnavalesco com atuação no Maranhão e Rio de Janeiro. Roteirista de Cinema, Arte/educador, Escultor, Pintor, Designer de Moda, com atuação em vários estados do Brasil e nos Estados Unidos.

Entre  o final da década de 80 e meados da década de 90 manteve sua vida entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, trabalhando com Execução Cenográfica, destacando-se:

No Rio de Janeiro: Trabalho no Departamento de Pintura de Arte - Rede Globo de Televisão no ano de 1986 . Entre os anos de  1984 a 1986 estabeleceu-se mais no estado de São Paulo onde realizou cenografias para o Teatro Pálace (Credcard Hall), Macksoud Plaza , realizou trabalhos de Direção de arte e Cenografias para os stands da ARTEX nas Fenites de 1984 a 1986 e 1988. Em Brasilia realizou Cenografias para a EXPOAGRO, Granja do Torto em 1987 e 1992.

 

EXPERIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS:

 Dirigi o Teatro Municipal Rosinha de Valença – Valença, RJ. Entre 1987 a 1991 e, depois, assumi a Secretaria de Cultura e Turismo desse município na gestão de 1993 a 1996. Nesse período, o Rio de Janeiro criou uma frente de trabalho junto aos municípios na tentativa de levar o turismo para o interior, depois que um grave incidente gerado por um tiroteio no sambódromo fez os turistas descerem para Salvador. Então, a Secretaria de Estado de Turismo do Rio, junto com a CESGRANRIO, que criou o Forum de Secretários de Cultura, cujo funcionamento era direcionado às diversas regiões do estado do Rio, sendo que em cada dois anos, os secretários elegiam um deles para coordenar aquela região, tendo eu, João Ewerton, sido eleito para a coordenação da Região do Médio Paraíba, na época, envolvendo 21 municípios. Meu biênio deu-se entre 1994 a 1996.

 

Em 1997 retornei para São Luis onde fui convidado pela Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão para dirigir o Centro de Cultura Odílio Costa Filho onde fiquei até o ano de 1998, quando passei a gerenciar, em seguida, o Projeto Axé (moda) em Salvador ; A MODAXÉ, onde atuei entre os anos de 1998 a 2002. Nesse projeto fui responsável pela criação de moda e concepção e direção geral dos fashions shows daquela griffe nas edições de 1999 a 2002.

A MODAXÉ é o único projeto do mundo que tem a moda como ferramenta de transformação social, e sua filosofia é:  Retirar o menino da rua e devolver para a sociedade, sobre uma passarela. No Projeto Axé, todo o eixo central das atividades é baseado na estética, tendo suas unidades voltadas para quase todas as linguagens de arte. Na moda, além das atividades diretamente ligadas a criação, como costura,  modelagem, estamparia, os meninos, que na verdade são os modelos dos fashion shows, onde são apresentadas todas as atividades do projeto dentro do mesmo palco, desfilam como o grande viés prático e temático. Assim, voltados para a apresentação na passarela os meninos recebem curso de modelo e marketing pessoal, e para dar maior visibilidade ao evento, são convidadas celebridades para desfilarem junto com os meninos, e por esse motivo, acabei vestindo grandes nomes como Caetano Veloso, Gilberto Gil, Camila Pitanga, Ivete Sangalo e Paula Motti entre outros. E realizei fashion show com os meninos do axé e os meninos do Harlem nos estúdios do Ballet Alvin Ayley,  na Broadway.

Também devido ao trabalho com a moda do Projeto Axé, acabei sendo convidado para participar do projeto internacional: QUIET IN THE LAND, que reunia os 16 maiores nomes da arte conceitual do mundo, tendo como artista do brasil, o Vick Muniz, Tunga, Marepe e alguns convidados como Eu, Alberto Pitta e Mario Cravo Neto. A curadora do projeto Miss France Morin, me encomendou que fizesse para o projeto uma coleção do que se chama; WEARABLE ART, “A arte que se veste” cujo projeto deveria contar a história das embalagens da feira de São Joaquim  em Salvador, usando a moda como linguagem. Assim fiz uma coleção de looks que começavam com looks feitos de sementes, folhas, flores, fibras , fibras trançadas, até alcançar o plástico, onde utilizei de vários tipos de embalagens para criar looks, e também as embalagens pequenas de especiarias que davam cheiros aos looks. Esse trabalho foi mostrado no Museu de Arte Moderna da Bahia no ano 2000.

Depois, o Axé fui convidado para um projeto de reciclagem ligado a Indústria Santista, que estava lançando o tecido jeans e malha feitos com garrafa pet. Ai refiz essa coleção para mostrar o perigo do plástico e a necessidade da sua reciclagem e foram acrescentados outros looks bordados com lantejoulas e outros detalhes feitos com a garrafa pet, até apresentar os tecidos feitos com os fios retirados do plástico das garrafas pet. Esse desfile aconteceu no Teatro Carlos Gomes no Rio de Janeiro em 2002.

JOÃO EWERTON, sem dúvida, um dos maiores artistas (completos) vivos da história do Maranhão.

' QUE DEUS CONTINUE DE ABENÇOANDO, JOÃO DE TODAS AS ARTES...'  (Francisco Coimbra).

Sede: Curitiba - Paraná

Envie seus trabalhos para mhariolincolnfs@gmail.com