"Na literatura, frequentemente, o curto é maior que o comprido.

Há poemas que contêm um universo".

Rubem Alves

Meu Patrono...
Bem...
Meu patrono é mineiro
Como mineiro é Drummond
Como mineiro é Guimarães Rosa
Como mineiro é Fernando Sabino
Como é mineira Adélia Prado

Meu patrono...
Bem...
Meu patrono é de Boa Esperança
Por isso, sempre carregou, dentro de si, uma alma de criança
E...
Sua caixa de brinquedos: coisas inúteis, tão úteis, para que a vida possa ser Vida

Meu patrono...
Bem...
Meu patrono morreu
Bem...
Morreu e não morreu
Morreu no corpo
Deixou viva sua alma

Meu patrono
Bem...
Meu patrono...
Viu o mundo em um grão de areia
Compreendeu que para provocar um incêndio não é preciso fogo
Identificou a relação da Jabuticaba com o universo
Entendeu a pedagogia dos Caracóis
Percebeu que o prazer tem variações
Aprendeu que ostra feliz não produz pérola
Fez poesia com os sentidos
Conversou sobre política
Creu que Deus está além do ver e dizer humanos

Discurso de posse: Paulo R P Cunha

E desejou viver sua vida novamente

Meu patrono
Bem...
Meu patrono...
Partiu em 19/julho/2014
Em Campinas

Assim homenageio Rubem Alves, a quem escolhi como patrono

da Cadeira que ocupo, a partir de hoje, na Academia Poética Brasileira

Mineiro como...
Drummond
Guimarães Rosa
Fernando Sabino
Adélia Prado...

Mineiro como... Eu

Mas,
Para ingressar nesta Honrosa Academia Poética Brasileira...

Evoco um outro Patrono
O Poeta dos poetas
O Poeta que dá vida aos poetas
O Deus que é Poeta

Se Drummond disse que quem lê poesia vê melhor o mundo...
Então, poesia só pode vir do coração de Deus
Pois, Deus nos faz ver a vida e a existência de forma simples e transcendente

Gente...
Isso é a poesia:
"Simples e transcendente"

Se ingresso nesta Academia...
Honro a Deus
Que o dom me deu
E sua graça me concedeu
De escrever com a alma e o coração
Poetizar com paixão

Só existem poetas
Porque Deus é Poeta

Só existe poesia
Porque Deus criou...
Céu
Estrelas
Sol e lua
Jardins e riachos
Campos e uvas aos cachos
A brisa, o vento e a ventania
A montanha, o vale, o mar e a maresia
A flor e o beija-flor
O homem, a mulher e o amor
As cores do Arco-íris
E, dos olhos, a íris

Deus poetizou
Quando...
Se fez criança...
E deu ao mundo esperança
Quando...
Se fez gente...
E amou intensamente
Quando...
Amou de tal maneira...
Que deu a sua vida em uma cruz de madeira
Quando...
A morte transcendeu...
E, dela, ascendeu

Deus poetizou...
Ao revelar a eternidade
E, da vida, sua maior finalidade:
Viver como uma criança
Viver em abundância

Assim...
Me dirijo aos membros da Academia Poética Brasileira
Me dirijo ao seu, meu e nosso Presidente Mhario Lincoln
E lhes digo que...
É uma honra ingressar em uma tão distinta e elevada Casa
É uma honra e responsabilidade ter sido Indicado, Eleito e (de minha parte) Aceitado ocupar esta Cadeira Efetiva
Pelo quê agradeço de coração
E, diante de todos os amigos aqui presentes
Diante de todos os artistas que, como estrelas, cintilam nos céus da vida
Diante da Academia Poética Brasileira
E lhes digo que...
Espero honrar esta Casa e, acima de tudo e todos,

honrar a Deus que este dom me concedeu.

Por fim...
Faço menção de gente que foi e é importante

para que eu seja quem e o que sou:

Meu pai
Mas, principalmente e especialmente, minha mãe -

Enny Pereira da Cunha - que foi o primeiro

poema que conheci em minha vida
Minha esposa, amante, companheira e amiga - Lina -

minha inspiração desde o primeiro dia

que a vi e senti seu perfume me inebriar de amor e paixão
Meus dois filhos, Paulo Humberto e Beatriz -

aquela que traz felicidade - (foto ao lado)

meus raios de sol em cada manhã

que acordo neste mundo.

 

A todos...
Meu muito obrigado!

 


Por: Paulo R P Cunha
Discurso de Posse à

Cadeira 56 da

Academia Poética Brasileira

Cadeira 56 da Academia Poética Brasileira

Sede: Curitiba - Paraná

Envie seus trabalhos para mhariolincolnfs@gmail.com