Os Postais da Alma de LENITA ESTRELA DE SÁ

Quando vi pela primeira vez as fotos/poemas de LENITA ESTRELA DE SÁ, publicadas no Facebook, veio-me à cabeça uma máxima do fotógrafo profissional Adilson Santos. Diz ele: "O fotógrafo quando faz uma foto - usa os olhos, a alma, o coração e a emoção...."

Estava certo! Foi exatamente isso - e mais alma- muita alma - que vi ao lançar meus olhos aflitos por novidades poéticas e encontrei os posteres dessa poeta, escritora e fotógrafa da alma.

Minha mãe Flor de Lys, colunista, me falou uma vez que não era fácil condensar numa notícia de 6 linhas, "toda a beleza de um evento social". Digo o mesmo: Lenita Estrela de Sá consegue essa proeza. Sobre a foto estática, revela profunda ligação dinâmica do momento, com as interpretações que lhe consomem o sangue da prosa e da poesia, borbulhando nas pontas dos dedos, quando flasheia seu retângulo do todo, escolhido por tino.

Como mágica, consegue escrever na linha tênue que separa o fruto, da árvore.

Aliás, Ernst Haas  é sábio quando ensina que a  "câmera não faz diferença nenhuma. Todas elas gravam o que você está vendo. Mas você precisa Ver.” (E só ela consegue ver São Luís-Ma, de outra forma). Por isso ela vê. Mas necessário se faz sentir, aprimorar, guardar, rasgar... no fundo são luminosos parágrafos, que se misturam a luminosas imagens, que se misturam a luminosos corações, que se misturam a luminosos anseios, que se misturam a luminosas sereias d'alma. Pontos de luz, com letras incrustadas nelas; ou pixels - na forma moderna de se limitar um ponto de luz, cuja estrutura dinâmica pode até mesmo, guardar toda uma história de vida. Parabéns Lenita Estrela de Sá. E como disse Vinícius Aguiar, Minha poesia é composta de luminosas imagens.

A sua também, Lenita Estrela de Sá. (Mhario Lincoln- Editor).

LENITA ESTRELA DE SÁ é romancista, contista, poeta, dramaturga e roteirista. Nasceu em São Luís do Maranhão, graduada em Letras e Direito, com pós-graduação em Linguística Aplicada ao Ensino de Línguas Materna e Estrangeira, e publicou as seguintes obras literárias: Ana do Maranhão (Prêmio Arthur Azevedo, concedido pela Universidade Federal do Maranhão,1980, e Prêmio Brasília de Teatro,concedido pela Fundação Cultural do DF, Governo do DF, Secretaria de educação e Cultura do DF e INL - Instituto Nacional do Livro - por unanimidade, 1981); A Filha de Pai Francisco, teatro infantil, publicado em 1995,com prefácio de Ferreira Gullar (Prêmio Apolônia Pinto,concedido pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão, em 1988; e Prêmio Alice Silva Lima,concedido pela União Brasileira de Escritores – UBE --  em 1997, em virtude da publicação do texto,o que, por sua vez, ensejou Moção de Aplausos da Câmara Municipal de São Luís, em 13.05.97); Reflexo, poesia – prefácio de Josué Montello,1979; No Palco a Paixão -- Cecílio Sá, 50 Anos de Teatro (pesquisa, 1988);  A Lagartinha Crisencrise (história infantil, 2005); Cinderela de Berlim e outras histórias (contos, 2010, Prêmio Gonçalves Dias de Literatura, concedido pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão); A Filha de Pai Francisco – bumba-meu-boi para crianças (conto infantil, 2015); Pincelada de Dalí e outros poemas (poesia, 2015), com prefácio de Ferreira Gullar (Prêmio Sousândrade, 2010, concedido pela Fundação Cultural do Município de São Luís - FUNC) e A Estrelinha Aparecida (história infantil, 2015).
Participa das seguintes antologias: Antologia Guarnicê, Edições Guarnicê, 1984; Novos Poetas Do Maranhão. São Luís, UFMA,1988; As Aves que Aqui Gorjeiam – Vozes Femininas na Poesia  Maranhense, organizada por Clóvis Ramos, São Luís, SIOGE, 1993; Circuito de Poesia Maranhense, CEUMA, 1995; Dicionário Crítico de Escritoras Brasileiras, organizado por Nelly Novaes Coelho, São Paulo: Escritura Editora, 2002.
As peças teatrais A Filha de Pai Francisco e Ana do Maranhão têm sido objeto de monografias de graduação, respectivamente, nos cursos de Letras da UEMA (Universidade Estadual do Maranhão) e da UFMA (Universidade Federal do Maranhão), tendo sido o primeiro texto também objeto da dissertação de Mestrado da Profª. Lucimar Ribeiro Soares, Professora Assistente de Prática de Ensino de Letras, da Universidade Estadual do Maranhão, com o título A Filha de Pai Francisco – uma leitura sob enfoque propiano. 

Sede: Curitiba - Paraná

Envie seus trabalhos para mhariolincolnfs@gmail.com