Susana me ensinou a

compreender uma tela

Até então, em minhas atividades de colunista diário, divulgador das emoções da sociedade maranhense, pouco havia me preocupado com as artes visuais. Olhava, mas não prestava a atenção necessária que um formador de opinião pública deveria prestar ao se deparar com a arte figurativa (ou não). Foi a artista Susana Pinheiro, no embrião de sua carreira de sucesso, que me levou a fazer a primeira grande reportagem sobre artes visuais. Eu atraído pela forte personalidade daquela jovem pintora, influenciando diretamente a construção de sua arte.

Conheci Susana Pinheiro num estado bem interessante de pós-adolescente. Contudo, com uma força tremenda e uma consciência artística imensurável. Quando vi suas primeiras telas as admirei como se ela fosse ter um futuro brilhante abraçando a arte das tintas.

Não deu outra. Quase 20 anos se passaram e eu reencontro aquela menina que havia me maravilhado na época muito mais por sua potência emergente e sua indiscutível inteligência, do que como artista-visual propriamente dito.

Hoje, as coisas se inverteram, apesar de sua personalidade ter adquirido ainda mais nuances de maturidade invejável. Claro que isso a ajudou a praticar sua arte de forma igualmente madura e consistente. Passei algumas horas tentando penetrar em cada traço e em cada tom do trabalho de Susana. As cores foram as primeiras a me chamarem a atenção: suavidade impecável.

Quase cores de interminável saudade. Acertei. Ano passado, quando ela esteve em São Luís, encontrei-me com ela na AMEI - Associação Maranhense de Escritores Independentes e rapidamente pude notar o quão suave e terna é hoje, sua expressão artística.

Essa nova fase de Susana tem muito de poético. Tem muito de sentimental. Tem muito de coração e saudade. Ela me contou ao telefone, depois, que sua inspiração veio da saudade, isto é, a mãe dela faleceu e era exímia tecelã. Revirando as coisas da mãe deu-se com varandas – as que embelezam as redes de algodão – muito comuns no nordeste brasileiro. Um trabalho artesanal de belíssimo acabamento que, ao depois, serviu de base para a construção das telas de Susana Pinheiro, mostradas em ampla exposição na cidade de São Luís-Ma, no ano passado.

Não são apenas telas. São pedaços de saudade, sem dúvida. Assim vi e vejo este trabalho, esta fase, esta construção sentimental, ornamentado de cores tão suaves que nos fazem viajar na sensibilidade da pintora, em cada textura ali produzida.

Confesso que fiquei encantado com o trabalho. A mim me cabe dizer que gosto demais de Susana Pinheiro. Tanto que na época, ainda colunista de jornais ludovicense, concedi-lhe página inteira para mostrar o começo – do começo – desta maranhense, hoje, residindo no Rio de Janeiro e com uma carreira de grande sucesso.

Sinto-me feliz. Mais que isso. Sinto-me o primeiro a divulgar o embrião que tornaria a arte de Susana Pinheiro um conglomerado de sentimento, talento e persistência, transformando as rendas das varandas meticulosamente tecidas pela mãe, em telas que choram saudades, mas vertem, igualmente, choro de felicidade por ter a artista conseguido essa simbiose entre o belo e o coração.

Parabéns. Saiba que lhe gosto muito.

 

Mhario Lincoln

Jornalista e Presidente da Academia Poética Brasileira

Perguntei ao crítico de arte e designer, modista e artista visual premiado, João Ewerton, da Academia Poética Brasileira, opinião sobre o trabalho de Susana Pinheiro.

Ele gentilmente respondeu:

Eu gostei muito. É um estilo contemporâneo, com técnica mista, que vai desde o figurativo até o abstrato, conjugando

formas geométricas com formas orgânicas, criando uma composição dinâmica muito bem resolvida, onde muitas vezes o geométrico da renda se transforma em figurativo pela referência com a renda em si, mas, na verdade, são os geométricos que remetem a uma leitura diferente, o que torna uma pintura singular no mercado, especialmente, pelo seu dinamismo. Ou seja, Susana Pinheiro dá personalidade a sua arte muito bem resolvida e idealizada.

Sede: Curitiba - Paraná

Envie seus trabalhos para mhariolincolnfs@gmail.com